Ordem dos Médicos: “3,9 milhões de consultas e 93 mil cirurgias canceladas”

A Ordem dos Médicos lançou um sério aviso de que o Serviço Nacional de Saúde (SNS) precisa de recuperar as consultas e as cirurgias em atraso para que os portugueses não sofram mais com a paragem do SNS devido às alterações efectuadas nos serviços, para atender um número de infectados por Covid-19 que iriam necessitar de hospitalização, mas que se revelaram ser em número muito aquém do esperado.

Quem sofreu com isso, foram os outros doentes, com outras patologias, igualmente graves. Em março, abril e maio, registaram-se menos três milhões de consultas nos cuidados primários (uma quebra de 57%), menos 900 mil consultas nos hospitais (menos 38%), menos 900 mil cirurgias, e uma redução de 44% no acesso às urgências, segundo os dados apresentados pela Ordem dos Médicos, a que também é preciso juntar milhares de exames de diagnóstico que ficaram por realizar.

O bastonário apontou que o programa que o Governo está a implementar para acelerar as cirurgias em atraso não é suficiente.

“Se não formos mais além, e termos verdadeiramente um programa excepcional durante três, quatro ou cinco meses, há muitos doentes que vão perder oportunidade de tratamento”, afirmou.

FONTEjornaleconomico.sapo.pt
COMPARTILHAR